Posted on

Máquina de Fazer Café: Como escolher a melhor?

Você tem um espaço comercial e deseja colocar uma máquina de fazer café para agradar a equipe e clientes. Maravilha! Mas o que você precisa levar em conta no momento da escolha?

O brasileiro é fã de café. Um sinal de boas-vindas para agradar clientes, colegas ou parceiros é ter à disposição um café bem fresquinho. Mas, antes de escolher a máquina de fazer café que atenda às necessidades do seu negócio, estude as opções do mercado.

Claro que quando um empreendedor ou empresário investe em um negócio ele faz um estudo entre custo x benefício. Que deve mesmo ser feito. Porém, nem só a análise financeira deve ser levada em conta.

Isso porque o mercado oferece várias opções de máquina de fazer café para cada tipo de necessidade e se você se basear pelo fator custo, pode se decepcionar com o resultado. Bem como seus clientes.

Qual a melhor máquina de fazer café para o seu negócio?

Antes de começar a pesquisa, avalie quais as necessidades e disponibilidades do seu negócio. Os itens mais importantes são:

– Quem são as pessoas que vão preparar o café?

O bacana de delegar a uma pessoa, ou mais de uma, a responsabilidade de cuidar da máquina de fazer café é saber que alguém estará zelando pelo investimento. Ou seja, essa pessoa saberá melhor do que ninguém da sua equipe a manusear, limpar e controlar os suprimentos.

Assim, quanto mais especialista for a pessoa quanto ao produto a ser servido, nesse caso um barista, melhor ainda será a qualidade da bebida. Mas, se não é o caso do seu negócio, tudo bem. Há opções de máquinas menos especializadas, mas ainda muito atrativas, que podem atender bem o que você precisa.

– Quem são as pessoas que irão consumir o café? Qual o volume a ser servido?

Essa é uma reflexão interessante. A máquina deve dar conta de atender quantas xícaras por minuto? Oferecer quantas opções de preparo? Entre outros detalhes, se você for servir e comercializar café. 

Como é o caso de cafeterias, padarias, cozinha de hotel, entre outros, em que é aconselhável também contar com a mão de obra especializada de um barista. Pois o público que vier ao seu estabelecimento estará procurando algo diferenciado, uma bebida mais sofisticada.

Mas, se você atende uma demanda menos exigente, mais corriqueira e numa escala menor de xícaras por dia, visando lucro com o comércio das xícaras de café, talvez opções semiprofissionais sejam interessantes. É o caso de pousadas, restaurantes ou buffet de festas.

 – Qual o espaço disponível para colocar a máquina?

Esse critério é muito relevante. Pois em alguns estabelecimentos, dependendo do seu negócio, a presença de um determinado tipo de máquina de fazer café é uma vitrine! Ainda que os clientes sejam leigos, a imagem vende.

Assim, procure analisar se a presença da máquina pode ser um elemento comercial favorável a você. Bem como o contrário é verdadeiro. Se o perfil do seu cliente for exigente, talvez o uso de máquinas de cápsulas possa decepcionar.

Mas, se o seu negócio não tem no café um elemento de peso, uma máquina pequena pode ficar até escondida, ou alocada num espaço de menor destaque, que ainda vai atender as necessidades dos clientes e parceiros.

– Qual o orçamento destinado?

Lembre-se que além da máquina, seja comprada ou alugada, haverá os suprimentos. Esse é um deslize comum, inclusive. Considerar apenas o valor da máquina de fazer café e ignorar os custos indiretos pode representar um susto no fluxo de caixa mal preparado.

Por isso que as perguntas anteriores precisam ser respondidas antes de chegarmos aos valores.

Quais são os tipos de máquina de fazer café?

– Máquina de fazer café em cápsula:

Ideal para os negócios em que o café é apenas um detalhe a mais. Como escritórios ou consultórios. Pois o próprio cliente pode se servir da bebida sem precisar de mão de obra especializada.

Também tem a facilidade da variedade de opções em formato pré-estabelecido, que vai de chás aos cafés especiais. Além do sistema de limpeza e de manutenção serem igualmente simples.

– Máquina de fazer café super automática:

A união do bom com o prático. Possui sistema de moinho integrado, precisando apenas de um clique para ser acionado. A vantagem é que sua operação também é simples e possibilita oferecer aos clientes cafés frescos e saborosos, com a moagem dos grãos na hora.

Leia também: Blend do café: O que é isso?

– Máquina de fazer café semiautomática:

Essa opção começa a dar ao barista possibilidades de oferecer cafés com mais requinte. Embora algumas funções da máquina sejam automáticas, outras são reguláveis conforme a vontade do especialista. Com maior contato e controle quanto à preparação da bebida, as variedades aumentam e os clientes agradecem.

– Máquina de fazer café profissional:

 Porém aquelas que oferecem uma bebida realmente especial são as máquinas profissionais. E é aconselhável que tenha um barista à frente dela para extrair o melhor do seu investimento.

Além do seu manuseio mais refinado, pois o barista tem acesso a todas as etapas do preparo, os valores também correspondem aos benefícios oferecidos. Especialmente quanto à qualidade e variedade dos tipos de café que podem ser servidos.

Uma boa máquina é certeza de satisfação do cliente?

Agradar aos clientes é uma ciência que requer pesquisa e intimidade, pois cada pessoa é uma pessoa. Mas à medida que cresce as possibilidades de agradá-lo, aumentam as chances de acertar. Começando com a escolha de bons cafés especiais.

Pois de nada adianta um investimento numa máquina fabulosa se os grãos de café forem de baixa qualidade. Não há equipamento que extraia uma crema generosa de um grão passado, ou um sabor adocicado de um grão queimado.

Da mesma forma que o cliente não irá sorver o melhor do produto, por mais especial que seja o grão, se esse for preparado muito depois da moagem através das cápsulas. Ou preparado de forma inadequada conforme a sua variedade. Itens que um bom barista saberá explorar.

Posted on

Blend do café: O que é isso?

blend do café

Preparar o blend do café é mais do que preparar uma mistura de sabores. É pensar na experiência do cliente com a bebida mais deliciosa do mundo!

O termo “blend” é de origem inglesa e serve para falarmos sobre misturas de sabores e harmonizações para bebidas. O mesmo termo se usa para vinho, cachaça e outros, por exemplo. Mas quando se trata do blend do café podemos nos aprofundar grandemente.

Pois, embora o café não seja originário das nossas terras, é aqui na América do Sul que o fruto melhor se desenvolveu. Não à toa o Brasil é o maior produtor mundial de café. Temos muita história e conhecimento para oferecer as melhores harmonizações.

Blend do café: como preparar?

Embora pareça simples, como seguir uma receita de bolo, preparar o blend do café requer conhecimento e bons produtos. Pois, quando aprendemos o que é um bom café, deixamos de escolher pela coloração extremamente escura e de gosto amargo.

Então, passamos a ter outras percepções gustativas e isso amplia os nossos horizontes sensoriais junto à bebida. De cara o açúcar será abandonado. Pois a doçura da bebida passa a ser percebida por consequência dos cafés de melhor qualidade que preservam as propriedades naturais do grão.

Além disso, o processo de torra é um grande aliado. Tal como se prepara o caramelo na culinária, é por meio da ação do calor que o grão expele o seu açúcar. Mas, se passar do ponto, o que acontece com os cafés tradicionais de supermercado, fica amargo e com gosto de queimado.

Quando se vai preparar um café “blendado”, os baristas precisam conhecer todas as nuances das qualidades de cafés a sua disposição para exaltar o que há de melhor em cada um. Mas quais as sensações e experiências que ele deseja provocar em seus clientes?

Por onde começo o preparo?

Preparar um bom café é uma ciência deliciosa! Quanto maior for a qualidade do produto, mais benefícios para a saúde e maior prazer no seu consumo. Dentre as possibilidades de mistura, que são muitas, as mais comuns são, por exemplo:

– Variedades:

A mistura das variedades dos tipos de café pode ocorrer antes ou depois da torrefação. O mais importante é procurar harmonizar cafés mais amargos e de corpo escuro com outros de maior acidez e doçura, para um equilíbrio visual e sensorial.

Na Grande São Paulo, por exemplo, tem sido muito comum esse tipo de mistura, a pedido dos clientes. Como misturar um Bourbon Vermelho com Catuaí.

– Sensoriais

O blend do café que procura evidenciar as propriedades sensoriais normalmente é mais apreciado pelo cliente curioso. Pois esse perfil de consumidor está esperando uma experiência diferenciada a cada xícara.

São os clientes que, ao ver o corpo do café mais claro, observam se está mais para o dourado ou amarelado. Se o aroma está para o frutado, floral ou achocolatado. É um coffee lover, com certeza!

Então, provavelmente sua expectativa vai além da variedade do grão e você passa a querer saber sobre o local de produção: Alta Mogiana, Cerrado de Minas, Conilon Capixaba, Planalto da Bahia e outros.

Leia também: Tudo sobre café: Desde o melhor grão até a forma de consumi-lo

– Café Cru

Daqueles exemplos que a vida nos dá: “De um problema, surge uma solução”. Mais comuns entre os pequenos produtores, os excedentes de grãos crus já foram desprezados, mas seria um crime desperdiçar bons produtos.

Então, os produtores foram misturando esses grãos. Quando, juntos na torrefação, a magia começou a acontecer. Desde o aroma diferenciado, resultado das variações de suas propriedades, o blend do café se mostrou especial.

Como o processo de torrefação contribui para a harmonização dos grãos, sua doçura, corpo, acidez e aroma se tornam únicos. Mas, se você quer um tempo maior de durabilidade do produto, só torre a quantidade que irá consumir. Bem como a moagem.

Essa é a principal diferença entre outras bebidas “blendáveis”, pois o prazo de validade de um café, depois de torrado e moído, é curto, questão de dias até perder suas propriedades. Enquanto que de outras bebidas, como vinho ou cachaça, que são fermentadas ou destiladas, o prazo de consumo é extenso.

– Pós-torrado

Pois, à medida que o café vai sofrendo os processos para consumo como bebida, ele vai perdendo suas propriedades inerentes. Por exemplo, se você já teve a oportunidade de saborear a cereja do café, sabe a doçura que a fruta tem. Mas que na xícara, o resultado é uma bebida de leve amargor.

E já que falamos da torra é importante falarmos do blend do café feito no processo de pós-torra ou na moagem. Que dentre as possibilidades, seria a mais pobre em termos de experiências sensoriais.

Portanto, depois que o café já foi colhido e o grão torrado, por influência do ar e da umidade, ele passa a sofrer um processo de oxidação e degradação do produto. Já se pensou, há muito tempo, que ele moído seria a melhor forma de armazenamento do produto. Só que não.

Exatamente porque depois de moído as partículas das suas propriedades químicas sofreram um processo de aceleração de decomposição. Quanto mais tempo se demora para o café ser consumido depois de moído, menos propriedades serão aproveitadas no blend do café.

Qual o principal benefício do blend do café?

A satisfação do cliente. De nada vale a harmonização dos melhores grãos se não agradar o consumidor. A preocupação do barista é oferecer uma experiência sensorial aos apreciadores de café. Pois isso significa encantar o máximo de pessoas possível!

Por isso, não é uma tarefa fácil. Porque nem sempre se consegue chegar a uma bebida que agrade a todos os públicos. Hoje é possível consumirmos em cafeterias cafés “blendados” por especialistas ou em casa por nós mesmos, baristas amadores.

Nos supermercados, os cafés tradicionais podem ser considerados “blendados” também, mas, normalmente com qualidade inferior. Pois não só já foram torrados e moídos, como na sua composição estão também os grãos de formação incompleta e descartados pelo mercado de cafés especiais.

Assim, à medida que você se aprofunda no universo do café, você fica mais crítico por conta do conhecimento adquirido. Quem ganha com isso é o seu cliente, que tem segurança quanto ao tipo de produto que vai encontrar em seu estabelecimento.

Uma boa xícara a você!

Posted on

Por que o café Supremo Arábica é a melhor opção para os seus clientes

Café Supremo Arábica

Quando não se tem segurança da escolha do melhor produto a servir a gente conta com o auxílio de especialistas. Exatamente por isso que os cafés Supremo Arábica estão sendo cada vez mais procurados.

No ponto de venda, quando o consumidor nos pede um cafezinho, a primeira xícara que vem à mente é a de um líquido aromático, preto e quente. No entanto, essa pode não ser a melhor opção para o seu cliente.

Antes que comecem as indagações, a explicação é simples: cafés de torra clara ou média, como os cafés Supremo Arábica, oferecem melhor sabor e aproveitamento das propriedades do grão.

Embora no ponto de vista cultural das pessoas a crítica surja logo: “Isso parece chafé”.

Pode até parecer, mas não é. Essa confusão tem uma explicação mercadológica e cultural, a qual os produtores e vendedores de cafés especiais estão desconstruindo de grão em grão.

Cafés gourmet são mais claros

As ofertas de café Supremo Arábica são de blends selecionados e de torra média. Isso, na xícara do cliente, corresponde a um sabor diferenciado, aromático e de visual mais claro e translúcido. Qualificações que só os cafés especiais apresentam.

As torras que variam entre claras e médias têm a intenção de preservar as propriedades do café. A moagem, quando feita instantes antes de coar, promove um perfume encantador assim que a água quente perpassa pelo pó, resultando na magia da bebida secular.

Os benefícios aromáticos, gustativos e visuais ficam preservados, bem como as características benéficas para a saúde. Como as de estimulante natural, antioxidante e anti-inflamatório.

Na dúvida, compare. Prove você mesmo uma xícara de café de torra clara e note a suavidade do sabor, aquele adocicado natural e o prazer ao ser consumido. Mesmo o café morno ainda é saboroso. Depois, faça esse mesmo teste com um café tradicional de mercado.

A presença de baristas na preparação adequada e na explicação quanto aos seus benefícios é importante para o seu negócio. Por isso, invista na formação e qualificação dos funcionários ou prestadores de serviço, é um diferencial positivo em relação aos seus concorrentes.

Os nossos representantes e equipe técnica estão aptos a informar sua equipe da melhor forma possível quanto aos cafés Supremo Arábica e seu processo – do plantio à xícara. Sinta-se à vontade para tirar todas as dúvidas. Teremos prazer em esclarecê-las.

Blends da Supremo Arábica

Entre os tipos de grãos de café disponíveis no mercado nós comercializamos o “Arábica”. O que, aliás, deu nome à nossa empresa. Porém, entre as suas variedades, optamos em elaborar os seguintes blends:

– Clássico:

De torra: média para escura. Apresenta na xícara o visual escuro, próximo ao tradicional, mas sem perder as qualidades de um café diferenciado.

– Gourmet:

De torra: média. Apresenta na xícara uma coloração diferenciada, ainda que encorpada, mantendo um sabor intenso e as propriedades que se espera de um café gourmet.

Já a variação do Café Premium realmente merece destaque:

– Especial Bourbon Amarelo

De torra: média. Original da região Mogiana Mineira. É um café encorpado, de doçura superior ao comparado com outros cafés gourmet, com sabor suave de caramelo e amêndoas. Retrogosto suave.

Café especial é café!

Quando, nas embalagens e descrições dos produtos está escrito “corpo médio”, o consumidor pode compreender: café claro. Ou “chafé”. Mas, isso está longe de significar café ruim. Pelo contrário! Quanto mais clara a bebida, mais propriedades naturais estarão na xícara, dispensando, sem dúvida, o açúcar.

Aliás, café de verdade não se toma adoçado. Ponto. Pois o açúcar ou adoçante mascaram o verdadeiro sabor da bebida.

As descrições técnicas contidas nas embalagens dos cafés especiais são nuances detectadas por especialistas. O consumidor tradicional não vai sentir essas variações de imediato. Já os apaixonados por café, por outro lado… No final das xícaras, o bacana é se permitir conhecer e descobrir o que mais lhe agrada.

Vale reforçar que não é “chafé”. É café claro, apenas. Para sentir o verdadeiro sabor, prove sem açúcar, combinado?

Leia mais: Proporcionando sabor e uma experiência única aos clientes.

E o mito da torra escura?

Como já conversamos em outros artigos aqui do blog, o café é considerado o grão de ouro no Brasil. Desde a primeira muda seu objetivo de cultivo foi financeiro e destinado ao mercado exterior.

Assim, por muitos e muitos anos quase que a totalidade dos cafés especiais brasileiros era exportada, ficando para o consumo interno aqueles de qualidade inferior. E como tornar homogênea a mistura de grãos verdes, maduros e outros grãos não aprovados? Por meio da torra escura. Ou conforme os especialistas explicam tratar daquele que passou do ponto, carbonizou.

Para tornar o consumo mais acessível e palatável, agregou-se também a moagem prévia. É esse o perfil do café tradicional disponível nos supermercados desde então. O resultado é uma bebida de cor densa, textura encorpada e retrogosto marcante.

O que houve é que os produtores de café não poderiam simplesmente descartar o restante da produção não exportada. Então, criou-se o mito de que café bom é aquele bem forte, marcante. Vendendo por um preço acessível o que seria descarte em outras circunstâncias. Resultando para o mercado consumidor interno uma cultura pejorativa.

Como os grãos já enegrecidos evocam um amargor na boca, é difícil distinguir no paladar os desequilíbrios. Some ainda colheradas de açúcar. Por isso que popularmente há quem chame o café tradicional de “graxa”.

E o lado negativo para a saúde é que cafeína em excesso faz mal para o organismo, provocando dores de estômago ou batimentos acelerados do coração. Também é desaconselhável o consumo exagerado para gestantes, pois irá hiperestimular o bebê, podendo induzir ao parto prematuro.

O cafezinho do seu cliente

Por isso que ao servir ao seu cliente um café Supremo Arábica você tem certeza da qualidade do produto. Nosso trabalho é oferecer 100% café de qualidade. Indicamos, inclusive, o consumo do produto em grãos para melhor aproveitamento das propriedades do café.

Embora nem todos os clientes saibam, mas quase sua totalidade prefere, é a opção do coado. Coloque isso em destaque na sua cafeteria: “Coado na hora”. Pois essa opção irá atrair clientes e fazer com que fiquem mais tempo no seu estabelecimento. Uma oportunidade de aumentar o ticket médio do consumidor com outros produtos que você comercializar, como salgados ou doces.

Posted on

Tudo Sobre Café: Desde o melhor grão até a forma de consumi-lo

Tudo sobre café

Da origem até as tendências do mercado atual. Tudo sobre café que você gostaria de saber para mandar bem num papo entre amigos e mostrar que sabe do assunto.

Nem toda bela história de amor começa com um “Era uma vez”. Às vezes, começa despretensiosamente entre uma xícara e outra. Se você é uma dessas pessoas que se descobriu enamorada somente agora, prepare-se para ler tudo sobre café – a nossa paixão.

Hoje, o café é a segunda bebida mais consumida do mundo, perdendo apenas para a água. Os países onde mais se consomem a bebida estão no norte da Europa e os países de maior produção estão na América Latina. Mas, a planta cafeeira não é nativa das Américas e sim da Etiópia.

Como quem aprecia um bom café aprecia também uma boa história, este é aquele momento em que a gente aconselha você a servir-se de uma xícara grande e fumegante da bebida para nos acompanhar nessa narrativa.

Breve história da descoberta do café

Reza a lenda que certa vez um pastor acompanhava seu rebanho de carneiros nos montes da região do Quênia. Ele notou que os animais ficavam mais ágeis e animados quando comiam as folhas e frutinhas de um determinado arbusto. Kaldi, o pastor, resolveu provar também e sentiu-se realmente energizado.

Logo os frutos despertaram o interesse comercial, especialmente no Egito e nas Arábias, chegando assim à Europa. Contudo, antes de atravessar os mares, o café criou densas raízes no mundo árabe graças à lei seca do Islã. Embora nem todos os religiosos concordassem com a energia advinda da planta, argumentando que seria contrária ao estado de paz pregado pelo profeta, era um ótimo item de comércio.

Para sustentar os argumentos de “prós x contras” os árabes precisavam descobrir tudo sobre café e assim iniciaram pesquisas e experimentações cafeeiras. Agradecemos a eles as descobertas gastronômicas, e até medicinais, provenientes da planta e da bebida.

Contudo, há registros milenares em que várias tribos africanas já conheciam as propriedades da fruta. Servindo de alimento não só aos animais, como também de estimulante aos guerreiros e de bebida sagrada em alguns rituais.

O nome café

Cientificamente, o café pertence ao gênero Coffea e hoje se tem conhecimento de 103 espécies da planta. Dentre elas as mais comercializadas são “Robusta” e “Arábica”. O Brasil é o maior produtor do tipo “Arábica” seguido pela Colômbia, enquanto o Vietnã é importante produtor do tipo “Robusta”. 

Houve um tempo que se justificava a escolha do nome “Coffea” como homenagem ao local de origem da planta, Kaffa. Porém, hoje se defende que a origem vem da palavra árabe “qah’wa” – ou kahve do turco otomano – que significa vinho ou “elixir da vida” dado o forte impacto que a bebida causa entre seus apreciadores.

Café e exportação

Diante desse breve histórico, percebemos que o café sempre foi um produto de exportação. Assim, antes mesmo das grandes navegações europeias, o café já era um produto de grande interesse comercial. A primeira cafeteria registrada é de 1475 em Constantinopla, atualmente Istambul (Turquia), e sua localização é perfeita.

Porque Constantinopla/ Istambul está fisicamente num trecho de terra colado à Bulgária e à Grécia, embora pertença geopoliticamente à Ásia. E por Istambul cruzam os caminhos entre o Mar Negro e o Mar Egeu. Portanto, importantíssima rota de comércio no século XVI!

Leia também: Supremo Arábica: Proporcionando sabor e uma experiência única aos clientes.

A Itália e a França foram os países mais influentes na disseminação da cultura do café para o restante do mundo. Mas, foi graças aos holandeses que, procurando um local de plantio extremamente fértil para chamar de seu, que o arbusto cafeeiro cruzou o Atlântico chegando às Américas, começando pelas charmosas ilhas da Martinica e São Domingos.

O grão de ouro

Para falar tudo sobre café é necessário que se diga como aqui chegaram as primeiras mudas do arbusto. E infelizmente foi por meio do “jeitinho”. O governador do estado do Pará já estava consciente dos preciosos negócios que o grão de ouro poderia trazer, assim incumbiu alguns subordinados a essa missão.

O sargento-mor Francisco de Melo Palheta, ao conquistar a confiança da esposa do governador de Caiena, na Guiana Francesa, ganhou de presente mudas de café-arábico. Este trouxe de forma clandestina para o Brasil, pois as plantas eram consideradas produtos estratégicos e não poderiam sair dos domínios holandeses sem expressa autorização.

As primeiras plantações ocorreram em Belém e de lá foram para o Maranhão e Bahia. Contudo, foi na região sudeste que o café se sentiu realmente feliz. Na região serrana do Rio de Janeiro, sul de Minas Gerais e praticamente todo o Estado de São Paulo.

O café é tão importante para o Brasil que o seu peso histórico e cultural é mais pesado que o próprio ouro.

O consumo de cafés especiais

A produção cafeeira do Brasil até pouco tempo atrás era massivamente pensada no comércio exterior. Tanto que se afirmava tranquilamente que o bom café brasileiro era exportado e aqui comercializado só o resto. De fato, o café tradicional vendido em supermercados até hoje é feito a partir das frutas demasiadamente maduras rejeitadas pelo padrão exportação.

Entretanto, o consumo de cafés especiais no mercado interno tem aberto novos e deliciosos caminhos. A produção artesanal sempre existiu e resistiu, pois, o seu caminho comercial não seguiu os grandes varejos e se manteve fiel às raízes. De forma que a cultura pelo bom café torrado na hora é uma memória afetiva muito presente.

Graças a essa forte ligação direta, os pequenos produtores – ou nem tão pequenos assim – hoje podem explorar um pouco melhor o poder de venda a um mercado local que está em crescimento. De acordo com a BSCA – Associação Brasileira de Cafés Especiais (sigla em inglês) – a média de crescimento em 2018 foi de 19% ao ano.

Seria presunção nossa achar que podemos falar tudo sobre café num único artigo. Já que a gostosura está em descobrir sempre algo novo ligado ao objeto de nossa paixão. Uma boa próxima xícara a você!

Posted on

10 Benefícios do Café para a Saúde

Os benefícios do café para a saúde incluem: o poder de rejuvenescer as células neurais, ajudar a queimar a gordura no sangue e até mesmo facilitar a respiração através da dilatação dos brônquios.

Que café é bom a toda hora a gente tem certeza! Agora, você quer mais pretextos para sorver uma deliciosa xícara? Pois a cada dia a ciência descobre mais e mais benefícios do café para a nossa saúde. Um brinde a esses estudos!

Segundo pesquisadores e especialistas da área da saúde, a dose diária de café varia de acordo com cada organismo. Mas, em vias gerais, seria algo em torno de 400mg por dia (cerca de 4 xícaras médias). Entretanto, há pessoas que têm baixa tolerância à cafeína e, portanto, o consumo deve ser menor.

1 – Reduz a insuficiência cardíaca:

Ainda que a cafeína seja a propriedade mais conhecida da bebida, e está diretamente ligada ao estímulo dos batimentos cardíacos, o café, quando consumido de forma moderada, é um grande aliado do coração.

A boa notícia está relacionada aos polifenóis, que combatem os radicais livres no organismo porque diminuem o colesterol ruim no corpo, responsável por problemas cardíacos como o infarto. De acordo com uma pesquisa da Universidade de Harvard, feita com 140 mil pessoas consumindo cerca de 4 doses diárias de café, os pesquisadores observaram a diminuição de até 11% no risco de insuficiência cardíaca.

2 – Colabora no emagrecimento

Quem não quer emagrecer mantendo os prazeres da vida? Pois entre os benefícios do café podemos incluir a perda de peso. Porque ele acelera o metabolismo e a queima da gordura. Mas, atenção: favor consumir sem açúcar, dai a necessidade dos bons cafés..

O processo acontece quando a cafeína aumenta os níveis de adrenalina no sangue, diluindo as células de gordura. O estudo publicado por pesquisadores brasileiros no International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism explica que a queima de gordura se dá pelo sistema nervoso simpático e pela oxidação lipídica.

Embora esse efeito de acelerar o metabolismo seja benéfico por um lado, deve ser compreendido como um auxiliar na dieta. Ou seja, consumir em demasia não vai ajudar a atingir o objetivo desejado, já que a perda de peso se dá por meio de um conjunto de vários fatores.

3 – Benefícios do café: Previne Diabetes

De acordo com a nutricionista do HCor, Maria Fernanda Vischi D’Ottavio: “O café, tanto o regular como o descafeinado, possui antioxidantes como o ácido clorogênico, que tem sido associado ao aumento da sensibilidade da insulina, o que contribui para a redução do risco de desenvolver diabetes do tipo 2. O magnésio presente no café também desencadeia a mesma ação”, explica em matéria publicada pela ABIC – Associação Brasileira das Indústrias de Café              .

4 – Contra asma e outros problemas respiratórios

Entre os benefícios do café para a saúde podemos incluir a diminuição dos sintomas da asma e outras doenças respiratórias. Isso porque o café possui propriedades broncodilatadores, melhorando a absorção do ar. Não por acaso, profissionais da química cosmética costumam “cheirar” café entre uma prova ou outra de fragrâncias.

De acordo com a ABIC, diversos estudos apontam uma redução em até 30% nas manifestações da asma entre quem toma café e aqueles que não apreciam a bebida. Há pesquisas que também apontam uma melhor função pulmonar por até 2 horas após o consumo moderado da bebida.

5 –  Nada de intestino preso

O café é um poderoso aliado quando falamos no funcionamento equilibrado do intestino. Isso porque a bebida ingerida quente estimula o intestino grosso nos movimentos gástricos, que empurram os resíduos para fora do organismo.

Assim, consumir a sua xícara diária logo pela manhã ajuda a acordar o corpo. A cafeína também aumenta a produção de ácidos biliares através da vesícula, estimulando o intestino para o seu bom funcionamento.

6 – Benéfico contra o envelhecimento

Inflamações crônicas podem acontecer no decorrer do processo de envelhecimento do corpo humano, incluindo problemas cardiovasculares. Mas, de acordo com pesquisadores da Universidade de Medicina de Stanford, o café é um bom aliado para que os problemas não se agravem.

A cafeína foi a propriedade analisada entre o grupo de 100 voluntários. Notou-se que o principal ativo era o retardo no envelhecimento celular, proporcionando benefícios anti-inflamatórios e de longevidade metabólica.

7 – Bom Contra o Câncer

Seguindo a trilha do conhecimento no âmbito celular e de regeneração, podemos perceber que o café é um queridinho dos médicos pesquisadores. E que bom! Pois até o comportamento do câncer já foi – e continua sendo – estudado e vários outros benefícios do café sobre a doença, descobertos.

Por exemplo, o IRCCS – Istituto di Ricerche Farmacologiche ‘Mario Negri’ em Milão, na Itália, divulgou pesquisa em que pacientes que bebem café e têm câncer de fígado apresentaram uma redução de 41% no desenvolvimento da enfermidade. A comparação aconteceu durante o mesmo período de análise com as pessoas não consumidoras da bebida.

Leia também: Café de máquina x Café de cápsula

“Estudos mais recentes têm demonstrado que o consumo moderado de café pode reduzir em 18% o risco de câncer. Acredita-se que esse benefício ocorre devido à presença de antioxidantes no café, substâncias responsáveis por combater os radicais livres presentes no desenvolvimento da doença”, explicam os pesquisadores.

8 –  Diminui o Risco de AVC

“Alguns estudos indicam que o café tem efeito antioxidante, diminui a acumulação de gorduras saturadas e reduz a resistência à insulina, propriedades que podem minimizar o risco de AVC”, diz Renata Domingues, nutróloga e vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia Médica (Abranutro).

Diversos estudos compreendem que o café é um aliado contra a diminuição do risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC). Contudo, há outras análises que contradizem esses números. De acordo com publicação do Institute for Scientific Information on Coffee, o que ocorre é a confusão dos resultados quando analisados em pessoas fumantes – pois o cigarro é sim um grande vilão da saúde pública.

9 – Aliado na depressão

Embora as pesquisas sobre os benefícios do café diante da depressão ainda sejam tímidas, há bons indícios. Tanto em estudos produzidos na Alemanha por meio do Instituto de Farmácia da Universidade de Bonn, como pela Escola de Saúde Pública de Harvard (EUA).

Em ambos, foi descoberto que a bebida possui compostos que podem afetar o cérebro por meio da liberação dos hormônios do bom humor e outros neuroquímicos bloqueantes dos sintomas do estresse.

10 – Café é amigo do cérebro

Centenas de pesquisas científicas apontam os benefícios do café junto ao cérebro. Tanto para a memória, como sensação do bem-estar, o sistema nervoso central e os neurotransmissores que simplesmente adoram a cafeína.

Desde a prevenção do Alzheimer até a diminuição dos impactos do Parkinson, ou simplesmente para estimular a sua longevidade por meio do rejuvenescimento das células neurais. Ou seja, se você quer viver bastante e feliz: beba café!

Posted on

Supremo Arábica: Proporcionando sabor e uma experiência única aos clientes.

Dos grãos verdes do café até o momento da moagem, toda a cadeia produtiva é responsabilidade da Supremo Arábica. Assim, garantimos a qualidade, sabor e aroma dos nossos produtos.

Há alguns anos uma dúvida nos incomodava: Por que somente exportamos o melhor café que o Brasil produz? O próprio mercado nacional respondeu demonstrando interesse em cafés especiais. Assim, nós, da Supremo Arábica, passamos a oferecer também no mercado interno o nosso melhor produto.

O nosso trabalho surge em parceria com as mãos que cuidam dos grãos. São agricultores conhecedores da cultura cafeeira, cujas plantações estão nas regiões tradicionais de cultivo entre o sul e o sudoeste de Minas Gerais.

Dentre os tipos, seguimos com o tipo “Arábica” que melhor se adaptou ao nosso clima e região, oferecendo a cada xícara o melhor da sua qualificação em café. Daí também a origem da nossa marca: Supremo Arábica.

Missão, Visão e Valores refletidos no produto

Embora todas as empresas tenham o mesmo intuito que é satisfazer o cliente em suas necessidades, e também gerar receita, nós nos colocamos um desafio a mais: oferecer produtos diferenciados para paladares apurados.

Essa nossa visão de negócio, portanto, concentra, na qualidade do produto que oferecemos, o melhor do nosso trabalho. Produzimos e fornecemos cafés especiais de origem controlada, mantendo o compromisso com a sustentabilidade e o respeito ao meio ambiente.

Desta forma, o que os nossos clientes sorvem ao degustar uma xícara aromática de nossos produtos, sejam em grãos ou moídos, é pura qualidade. Assim, a Supremo Arábica está transmitindo confiança aos clientes e mantendo a confiabilidade em todas as etapas do nosso relacionamento.

O que é um café gourmet?

Muito se diz sobre os cafés especiais, que ficaram popularmente conhecidos como cafés gourmet. Além dos tipos de grãos, é importante que prestemos atenção em itens especiais desse tipo de produto.

Aliás, você se lembra que o café é uma fruta pequena, certo? Então, o café especial é a seleção somente dos grãos maduros prontos para torra. Uma vez que a fruta dá em cachos pequenos próximos aos galhos, a sua colheita é demorada e sua seleção feita com especial atenção.

O principal diferencial está na torra. Utilizamos ar ao invés de água no processo de resfriamento, processo esse que mantem as características sensoriais de nossos produtos. Atenção especial também é dada a data de torrefação. Quanto mais fresca a torra, mais rico em suas propriedades originais. Pois o café vai perdendo as características aromáticas, oxidando conforme, gradativamente, perde o gás carbônico que está em suas moléculas. Esse processo começa a partir de um mês de torrado.

Embora a validade do café torrado possa ultrapassar um ano para consumo, porque o café não fará mal algum, ele vai apresentar na xícara um produto muito aquém se fosse consumido fresco.

Café em grãos é a melhor opção de compra para quem realmente aprecia café. Em grãos, o processo de preservação do produto é muito maior e a certeza do que está consumindo, sem interferência de nenhuma outra parte da planta sendo moída e coada em conjunto.

Leia também: Café de máquina x Café de cápsula

Caso você, empresário, barista ou apaixonado por café ainda não tenha o seu moedor, saiba que há diversas opções no mercado com preços bem atrativos. Como as máquinas em parceria com a Supremo Arábica, que você pode alugar.

Tipos de produtos que oferecemos:

– Supremo Arábica Grão Gourmet;

– Supremo Arábica Grão Clássico;

– Supremo Arábica Grão Clássico Torrado e Moído;

– Supremo Arábica Moído Gourmet;

– Supremo Arábica Premium Torrado em Grãos;

– Supremo Arábica Premium Torrado e Moído;

– Café em Sachê Clássico.

As embalagens dos produtos podem ser em quilo, 500g, 250g ou sachês.

Também dispomos de maquinário para estabelecimentos comerciais de todos os portes e máquinas menores de consumo individual para locação.

Variedade é importante?

Isso depende. Porque o que importa é se o café é saboroso, aromático e com uma coloração lisa. Ou seja, o teste da xícara. De nada vale investir fortunas num café se ao degustá-lo você simplesmente não gostar.

Contudo, uma vez aprovado por você, claro que vale saber mais sobre a variedade e suas particularidades. Mas, para você ter uma ideia, nem nas análises sensoriais em concursos internacionais ou cooperativos, no momento das provas, essas informações são reveladas. Só depois da bebida avaliada pelos especialistas é que são ditos se é Catuaí, Bourbon Amarelo, Pacamara, entre outros.

Diferencial da Supremo Arábica: tecnologia

Como a nossa preocupação é fornecer o que há de melhor em termos de café especial, investimos na tecnologia. Desde a separação dos grãos – que é feita de forma padronizada por uma seletora ótica ou “olho eletrônico” ( visite Peneira Alta.com.br)– ao controle do ponto de torra e a granulometria do café no momento da moagem.

Ou seja, nosso processo é praticamente do pé à xícara. Aliás, se você é um empreendedor interessado em expandir seus negócios e vê nos cafés especiais uma oportunidade, converse conosco. Temos infraestrutura para atender as suas necessidades.

Chás: Taste Tea

Para quem quiser variar ou atrair também o público que não é tão apreciador de café assim, temos, em nosso portfólio de produtos, variedades de chás em embalagem de 50g. Todos seguem os padrões internacionais e a sua disponibilidade está atrelada ao estoque. Consulte o nosso site para mais informações sobre essa categoria de produto