Posted on

Café de barista: 5 diferenciais do café servido por um profissional

Nem só de uma boa xícara de café vive uma cafeteria. As dicas e diferenciais do café de barista na hora de servir o cliente podem surpreender e encantar os apreciadores mais exigentes.

“O que um café de barista tem de diferente?” – essa foi a pergunta que um colega também apreciador de café nos fez numa tarde dessas. Porque, embora em nossa mesa houvesse baristas presentes, a síntese é uma só: extrair o melhor que a bebida pode oferecer.

É como a frase de um chef francês: “Eu gosto é de comida boa!”. E o que faz uma comida ser boa? Existem muitas variáveis para agradar ou não um paladar, inclusive algumas delas fogem à padronização do mercado para seguir uma média de contentamento.

E esse é o encanto! Porque a ousadia e a experimentação cabem ao barista e é dessa forma que ele descobre as nuances e percepções do produto que ainda não foram totalmente exploradas.

Profissão: Barista   

Rapidamente, o nome que se dá ao profissional especialista em café é barista. A origem remete à idade média, quando, nas tavernas, começou-se a delimitar o espaço de trabalho e os clientes com uma barra. Essa barra separava o espaço de manuseio das bebidas e comidas dos comensais. E o bar surgiu daí.

Existe também a lenda de que, na época dos desbravadores do Novo Mundo, os cowboys prendiam seus cavalos numa barra para adentrar aos locais de serviço. Como os locais de comes e bebes eram os mais comuns, tornaram-se bares.

De qualquer forma, os baristas do século XXI têm um campo de atuação muito além dos espaços das cafeterias. Literalmente do grão ao pós-xícara. E esse conhecimento técnico e também de negócios confere uma expertise hoje muito apreciada.

E quais conhecimentos são esses que podemos degustar ao provar um café de barista?

1 – Conhecimento do produto

Algumas pessoas chamam de chatisse aquele grau de exigência com a qualidade das coisas. Mas não é nada disso. Um barista vai sempre primar pela qualidade do produto a ser servido.

Dependendo do lugar, dos grãos e dos produtos à disposição, você pode ser surpreendido com uma xícara cheia de aroma e sabor que fará você viajar pelos campos cafeeiros. Ou receberá uma taça incrementada por um drink delicioso e criativo, cheio de personalidade, que marcará para sempre a sua memória, na mais inusitada mistura de sabores e texturas.

2 – Café é fruta

Muita gente esquece que a bebida café vem do grão torrado e moído de uma planta africana. A maturação da fruta, da cereja do café, é essencial para o tamanho e melhor aproveitamento desse grão.

Se a fruta estiver verde, o grão será muito amargo. Se a fruta já tiver passada, também terá o gosto menos favorecido. O café aprovado por baristas e órgãos de certificação internacional é aquele colhido na maturação correta da fruta. Esse é o café especial ou gourmet.

Os cafés tradicionais, vendidos em larga escala nos supermercados, são aqueles que já passaram do ponto no momento da colheita. Invariavelmente são torrados, moídos e ensacados com outros subprodutos da planta cafeeira até chegarem ao consumidor final.

Leia também: 10 Benefícios do Café para a Saúde

3 – Tipos de grãos

O café de barista também tem uma preocupação de conhecimento do tipo de grão que pode agradar mais ou menos o paladar do cliente, de acordo com a sua personalidade. Como os cafés mais fortes que costumam agradar as pessoas de perfil executivo. Porque são pessoas que estão habituadas a sorver várias xícaras ao longo do dia, para dar aquela carga de energia ao cérebro, pois estão sempre envoltas em números e soluções rápidas.

Ou as pessoas mais criativas, que apreciam moderação e um toque de sofisticação, como os cafés especiais. Algumas vezes com decoração ao latte, para um charme e um sabor diferenciado e suave. Embora os criativos também precisem ativar os neurônios, isso pode ser feito com bom humor e estilo.

E tem também os clássicos. Os apreciadores da bebida que preferem a praticidade e o bom gosto costumam optar pelo grão tradicional, justo, na medida. Nem forte, nem fraco. Com sabor e aroma cativantes.

4 – O ritual de preparo

Assim como a escolha pelo tipo de grão, o café de barista também passa pela forma com que o café é preparado para melhor encantar o cliente. Pode ser que o cliente seja um apreciador da bebida e já tenha em mente a forma com que deseja que sua xícara seja preparada.

Contudo, uma coisa é certa: a melhor opção é moer o grão no momento em que o café será feito, evitando a oxidação e perca de propriedades da bebida. Pois é, o ritual de preparo do café é uma arte!

Porém, cabe ao barista explicar as diferentes formas de extração da bebida e as suas características no momento da apreciação aos seus clientes. Pois, embora a extração possa ser a frio, a bebida continuará quente. Como? O barista explica. E o gosto é tão concentrado quanto um espresso.

Ou ainda há o café turco, cujo pó permanece na xícara durante o tempo em que estiver sendo consumido, uma experiência diferente de aroma e sabor. Uma oportunidade gastronômica para as pessoas com sede de conhecer as coisas do mundo.

Ainda que o preparo amplamente mais consumido pelo Brasil seja de coados. E olha que curioso: há grandes diferenças entre o café coado em casa daquele coado por um barista!

5 – Café de barista coado

E quais seriam essas diferenças entre o café coado em casa x café de barista coado? Começa pela água. Jamais um barista vai permitir que se use água não filtrada para preparar o café.

Primeiro porque a água é um elemento importantíssimo para preservar o sabor original do café. Quanto mais pura e cristalina, melhor a qualidade da bebida servida. Pois a água de torneira, ainda que fervida, retém gosto e elementos químicos que foram incorporados para que chegasse até seu consumo.

O local onde o café será coado é outra preocupação. Pois o filtro influencia na extração do aroma e sabor da bebida, preservando melhor as propriedades.

Ah sim! Para evitar o gostinho de celulose, os filtros de papel devem receber uma primeira dose de água quente antes do pó ser acomodado, para o processo não afetar o sabor. Aliás, outra curiosidade: sabia que o modo de despejar a água quente sobre o pó também interfere?

Ainda há outras singularidades no universo do café que os baristas podem nos ajudar a entender e aproveitar melhor esse líquido maravilhoso. Entretanto, nesse momento, eu só quero mais uma xícara. E você?