Posted on

10 Curiosidades sobre o café

curiosidades sobre o café

De fato, o brasileiro tem a cultura do café. Do Oiapoque ao Chuí, literalmente, é possível encontrar uma xícara de café para ser servido bem quentinho. Porém, 95% das pessoas consomem café de coador. Até aí, nenhum crime, porém, será que esses consumidores não têm curiosidades sobre o café que ampliam a vontade de provar outros blends?

Curiosidades sobre o café: provar novos sabores

O curioso é que o Brasil é o maior produtor e exportador de café verde no mundo. Ou seja, o café que não passou por nenhuma torrefação ainda. Aqui na América Latina, a Colômbia também é um importante player do setor, produzimos o café “Arábica”, enquanto na Ásia é o café “Robusta”.

A provocação que queremos propor é: Por que diante da existente demanda, e de clara produção consistente, os consumidores ainda não passaram para a próxima etapa de apreciação do café?

Com efeito, essa é uma das nossas inquietações e motivação da Supremo Arábica fazer o que faz. Assim, parte do nosso dia a dia é estar em constante observação de como podemos ampliar o repertório de consumo do café.

Afinal, melhorando a qualidade do produto que oferecemos e consumimos, teremos reflexo direto em nossa saúde e bem-estar. Assim sendo, listamos 10 curiosidades sobre o café.

1 – Onde tudo começou

Primeiramente, vamos a parte teórica. A planta cafeeira pertence à família Coffea, das quais se conhecem cerca de 103 espécies. É um arbusto originário do Oriente Médio e África, que vive em torno de 25 anos. Inicialmente consumida em grãos, posteriormente por meio de infusão, até chegar ao consumo como conhecemos hoje.

2     – Primeiras mudas

Cientes do líquido precioso que tinham em mãos, até o século XVII, apenas os árabes produziam café. A fim de produzir os grãos, vários europeus e orientais tentaram por anos replantar, mas sem sucesso. Até que botânicos holandeses conseguiram adquirir as mudas preciosas. Aliás, as mesmas estão guardadas – ainda hoje – no Jardim Botânico de Amsterdã.

3 – Tipo Arábica ou Tipo Robusta

Apesar de apreciarmos muito o sabor, para nós que trabalhamos com café, é interessante que saibamos mais das curiosidades sobre o café. Deste modo, a principal diferença entre os tipos disponíveis no mercado mundial está no DNA da planta. Ou seja, os cafés do tipo “Arábica”, originais da Etiópia, possuem 44 cromossomos, enquanto o tipo “Robusta” tem 22 cromossomos.

Dessa forma, café apresenta diferença tanto de cultivo como de sabor. O tipo Robusta resulta numa bebida mais encorpada, como o nome sugere, apresentando índice de cafeína mais elevado e sabor ainda mais amargo. Já o tipo Arábica, apresenta um sabor mais suave e com menos cafeína, sendo por isso o preferido e o mais consumido no mundo.

4 – Como o café chegou ao Brasil?

Embora a saga do café já tenha rendido várias histórias de amor e aventura, é provável que seja resultado de contrabando. No entanto, a narrativa mais comum diz que o português Francisco de Melo Palheta seduziu a esposa do governador da Ilha da Martinica, território Francês na época, que lhe presenteou com mudas das plantas. A primeira plantação foi no Pará em 1727, a partir da qual foi espalhada por todo o país.

Desse modo, a planta adaptou-se melhor na região sudeste devido ao clima e o solo, além de água abundante. Outras curiosidades sobre o café, é que o arbusto prefere se desenvolver em terras íngremes e ambientes com temperaturas médias, entre 15º e 24º graus.

5 – Bebida do diabo

Com efeito, a cafeína não era bem compreendida na idade média. Vale dizer que essa inquietação que o componente causa na circulação sanguínea chegou a ser medicinal e depois considerada alucinógena.

Tanto que em Meca ela foi banida entre 1574 até 1595, sendo literalmente chamada de “bebida do diabo”. Vale lembrar, que o líquido milenar veio de região muçulmana, e por isso foi considerado, pagão.

Porém, como é complicado resistir ao líquido mágico, o Vaticano deu um jeito de continuar a consumi-la tranquilamente. Pois é, entre as curiosidades sobre o café, está até o seu batismo pelo Papa Clemente VIII para tornar o café em uma bebida cristã.

6 – Aroma de Sofisticação

Enquanto o café é a segunda bebida mais consumida nos quatro cantos do globo, perdendo apenas para a água, ainda carrega em si um certo ar de sofisticação. A partir de 1615, o mercado italiano estava muito aquecido, principalmente, em Veneza. Logo, o líquido exótico caiu na graça dos artistas e aristocratas, bem como da realeza. 

Portanto, nobres e intelectuais passaram a consumir café. Muito café! E logo a bebida foi associada à inteligência e sofisticação, o que permanece ainda aos dias de hoje, embora, seja uma bebida popular. Séculos depois a ciência explica que a cafeína realmente ativa os neurônios, que confere um reforço extra as atividades pensantes.

7 – Revolução Francesa

Depois que o rei Luiz XIV ganhou uma muda da planta e passou a cultivá-la nas colônias dele, a França, capital mundial do novo pensamento burguês cresceu a luz da cafeína pela manhã e do champanhe à noite. De tal sorte, que os Iluministas eram viciados numa mistura de café com chocolate criado pelos padres capuchinhos italianos.

Dos artistas aos políticos, todos eram viciados em café. As cafeterias eram verdadeiros pontos de encontro pró-revolução. Voltaire, figura fundamental da Revolução Francesa, por exemplo, consumia cerca de 40 até 50 doses diárias.

8 – Personalidades amantes de café

Sem dúvida, ao passo que a cafeína estimula o coração, aumentando a circulação sanguínea e o cérebro como consequência, personalidades do mundo todo consomem a bebida. Entre as curiosidades sobre o café, estão as formas de consumo. Seja quente, como frio. Com condimentos, como canela, ou com frutas, como raspas de laranja.

Por exemplo, o músico Johann Sebastian Bach chegou a compor a “Cantata do Café” em 1732 em homenagem a sua bebida preferida. Outro compositor clássico ávido apreciador era Ludwig Van Beethoven, porém, ele tinha uma predileção: escolhia a dedo (literalmente) os 60 grãos de sua bebida, pois, o gênio compositor juntava esse punhado para ser torrado e, a partir daí, feita a infusão em apenas um copo. Espresso, para que não é mesmo?

Ao passo que os escritores também não deixavam os cafés deles esfriarem. Sartre, Simone de Beauvoir, Oscar Wilde, entre tantos outros. Na atualidade, praticamente 90% dos adultos ocidentais consomem café. Não raro, celebridades são flagradas com seus copos ou xícaras nas redes sociais. Aliado dos negócios, o café faz parte da rotina dos empresários bem-sucedidos, tanto pela manhã como ao longo do dia.

9 – O Rei do Café e o Pai da Aviação

Entre as curiosidades sobre o café, está a riqueza de Henrique Dumont. Este engenheiro, cafeicultor e empresário foi pai de Alberto Santos Dumont. Graças ao café, toda a sua estadia na Europa, bem como seus experimentos foram custeados pelos grãos verdes e torrados.

Henrique era filho de imigrantes franceses, estudou em Paris e voltou ao Brasil para colaborar nas obras de estradas de Ferro em Ouro Preto, época em que conhece o cultivo do café. Ao término da obra, o jovem empresário decidiu se dedicar ao grão aromático. E tal dedicação lhe rendeu o título de “Rei do Café”, concedido a apenas 5 produtores até hoje na história do Brasil.

10 – Faz bem ou faz mal ao coração?

Quem nunca ouviu a avó dizer que faz mal é não tomar café? Pois é, inclusive a medicina concorda. Porém, nada de exageros. Afinal, a cafeína em excesso pode causar arritmia. Ainda que existam mais de 200 estudos científicos afirmando que pessoas que bebem entre 3 ou 4 xícaras por dia, têm 19% menos chance de morrer por doenças cardiovasculares. Ou seja, siga o conselho dos mais sábios e sirva-se mais uma xícara.